Criptomoedas

Como Entender o Mercado Digital de Criptomoedas que move Milhoes de Dólares

Desenvolvedores, Blockchain, algoritmos, carteiras virtuais (Wallet), mineracao de Bitcoins e bolsas de comércio digitais são alguns dos conceitos que temos que entender para começar a atuar nesse mercado que não está livre de controvérsias.

Dizem que é uma revolução similar à que viveram os carteiros quando inventaram o e-mail ou os taxistas quando surgiu o Uber. As criptomoedas, ativos digitais que permitem a troca entre elas que despertaram o interesse dos investidores, reguladores financeiros, bancos centrais e ganhadores de prêmios Nobel.

Os críticos dizem que se trata somente de especulação, advertem as possibilidades de bolhas e alguns incentivam sua proibição, como o Banco Central da Índia. Porém, apoiando ou não essa tecnologia, todos concordam na prudência e sugerem se informar sobre o assunto já que esse mercado não é fácil de entender e seus conceitos se cruzam entre si. O que são e como operam as criptomoedas?

“Nasceram depois da crise de 2008 como uma alternativa, um valor que pudesse ser transferido pela internet e criar algo que não pudesse ser falsificado e que tivesse um mecanismo de incentivos”, explica Agustin Feuerhake, de SurBTC.

Mesmo que existam dezenas de moedas digitais criptografadas, a mais conhecida é a Bitcoin, seguida da Ethereum, segundo sua capitalização, seu volume e seu preço. Fisicamente uma criptomoeda é uma chave com infinitos caracteres, parecida com uma assinatura digital, que surge de uma Blockchain.

Cada Blockchain opera com uma base de dados, onde seus desenvolvedores interagem com algoritmos para obter essas moedas, também são registradas quantas moedas são possíveis transferir e a quem elas pertencem. Um aspecto chave das criptomoedas é que cada uma tem sua a própria Blockchain e suas próprias regras as quais regem os desenvolvedores. Além disso, o minerador que mais fornece poder de mineração é o que tem mais probabilidade de ficar com mais moedas. Por exemplo, os responsáveis pela mineração de uma rede de Bitcoin demoram dez minutos em sua base de dados para gerar moedas. enquanto que os mineradores de Ethereum, que possui regras e dimensões mais sofisticadas, levam segundos.

“A nível mundial, China e Estados Unidos lideram o desenvolvimento de moedas, que são feitos em países onde a eletricidade é mais barata como na Venezuela porque são enormes galpões com centenas de servidores que consomem muita eletricidade”, afirma Feuerhake.

Qual moeda eu deveria escolher? A decisão varia segundo seu preço, que se movimenta por especulação. Por isso, as vezes é mais vantajoso investir em moedas com maior valor ao invés de moedas mais fáceis de encontrar.

As transações

Uma vantagem das criptomoedas é que permitem a troca entre elas em qualquer parte do mundo sem deixar rastros. Para transferir as moedas digitais entre usuários o custo é o mesmo, independente da quantia, e esse valor vai para os responsáveis pela mineração. que trabalham para desenvolver as moedas seguindo as regras da sua respectiva blockchain. Isso é diferente da transferência de moedas.

Como funcionam as transações? As criptomoedas são comercializadas em plataformas ou bolsas que brindam um espaço para que os usuários possam trocar entre si, por exemplo, bitcoins por moedas locais. Uma pessoa pode comprar, por exemplo, com pesos chilenos ou dólares a um preço que depende da oferta ou da demanda. Normalmente, há uma tarifa de 0,6% para transferir em uma “exchange”. Mt. Gox, por exemplo, é um reconhecido mercado de Bitcoin que originalmente fazia transações de cartas Magic, mas sofreu um milionário roubo feito por hackers digitais.

O futuro

O ecossistema da tecnologia blockchain está dividido em duas partes: projetos orientados a criptomoedas e projetos específicos para empresas, estes últimos buscam desenhar uma arquitetura que cumpra com os requisitos de leis existentes e regulações. Mas, a grande parte do primeiro tipo de projetos, focados em criptomoedas, fizeram o contrário, explica Tim Swanson, diretor de investigação da Post Oaks Labs, que faz análise de risco para blockchain e startups de cripto moedas “No passado tentaram ignorar leis e regulações. Acho que se a tecnología se massifica, será em plataformas desenhadas para oferecer aos usuários os recursos legais caso surja algum problema”, afirma.

O desenvolvimento dessa indústria, enquanto isso, continua crescendo exponencialmente. Hoje existem empresas que instalam caixas eletrônicos de criptomoedas, outras desenham aplicativos para guardar-las no celular, chamadas Wallet (carteira) e até o MIT tem uma Digital Currency Initiative, fundação que se dedica a desenvolver moedas digitais junto a governos.

No futuro se espera o desenvolvimento de tokens criptográficos que vão representar não somente as Bitcoins, mas também as moedas reais ou uma propriedade de casa ou carro. Também se espera que melhore a capacidade de poder pagar mais rapidamente que atualmente.

“Na CryptoMkt acreditamos que a tecnologia deve ter seu lugar. Podemos utilizar uma nova forma de transferir valores, que é mais rápida e mais segura e a taxa é mais baixa. É nacional e internacional” afirma Martin Jofré, sócio fundador da CryptoMkt.

O segredo está na Blockchain

A tecnología da Blockchain é a base de cada uma das criptomoedas. Funciona de maneira independente como se se tratasse de um organismo e se desenvolve com uma linguagem criptográfica, por isso seu nome. Uma boa analogia é um caderno, no qual cada folha é um bloco e um desenvolvedor vai escrevendo em códigos e algoritmos, formando uma cadeia. Esse desenvolvedor deve demonstrar que possui criptomoedas por meio de transações que ficam registradas na cadeia e a moldura onde são feitos esses processos são definidos por um protocolo único.
Além disso, cada Blockchain necessita uma grande capacidade computacional e aí é onde entram os responsáveis pela mineração, que trabalham para resolver algoritmos e gastam em hardware e eletricidade em troca de criptomoedas. Os responsáveis pela mineração escolhem cada cadeia, dependendo da criptomoeda que desejam obter. Quanto maior a resolução de algoritmos maior é a quantidade de criptomoedas que se pode conseguir, mas isso requer recursos cada vez maiores.

Autor: Leonardo Ruiz

RUIZ, Leonardo. Cómo entender el mercado digital de criptomonedas que mueve billones de dólares.
Acesse o artigo original AQUI

Leave A Comment
*
*